Campinas, 18 de Agosto de 2017
ESTIAGEM: É FOGO!
05/08/2017
Notícia publicada na edição n.111 do Jornal Alto Taquaral
Aumentar fonte Diminuir fonte

Fogo!

Com início da estiagem em junho, focos de incêndio tiveram um aumento significativo de ocorrências na região. Somente nas rodovias do corredor Dom Pedro, foram 246 focos de incêndio em julho (39 em junho e 15 em maio). A ausência das chuvas deixa a vegetação mais seca e ela acaba se tornando uma espécie de combustível para o início dos incêndios e a expansão do fogo, explicam os técnicos da concessionária Rota das Bandeiras.

O 7º Grupamento do Corpo de Bombeiros em Campinas registra mais de 50 dias sem chuvas e alerta para se evitar o uso do fogo para eliminar lixo ou mato. O sargento Dicara, do setor de Comunicação, explica que é muito comum as pessoas tentarem queimar algum tipo de material descartado ou utilizarem a queimada como forma de limpeza de baixo custo em terrenos baldios, e acabam por perder o controle do fogo, que se propaga rapidamente.

A Defesa Civil confirma que julho e agosto são os dois piores meses para estiagem, quando há combinação de temperaturas baixas e baixa umidade relativa do ar, além do hábito de muitas pessoas fazerem limpeza de terrenos ateando fogo. Por isso esse é o período mais crítico.

PERIGO NAS ESTRADAS

O número de focos de incêndio às margens do Corredor Dom Pedro de rodovias disparou em julho, superando o registrado em todo o primeiro semestre do ano. De janeiro a junho, foram contabilizadas 226 queimadas e somente no mês de julho foram outras 246 ocorrências, uma média de 8 ocorrências por dia. Em relação a julho do ano passado, quando houve 135 casos, o aumento é de 67,4%. Mas se comparado a maio deste ano, quando foram registradas apenas 15 ocorrências, o aumento é de mais de 1.600%.

Desde setembro de 2010, quando ocorreram 321 incêndios, a concessionária não registrava um número tão expressivo em apenas um mês. Historicamente, os meses de julho e agosto sempre tem número elevado de ocorrências. Além do prejuízo ao meio ambiente, os incêndios também podem comprometer a segurança do motorista, já que a fumaça reduz a visibilidade, aumentando o risco de acidentes nas rodovias.  Apesar do número expressivo, a concessionária informa que não recebeu a ocorrência de nenhum acidente provocado por esses focos.

Entre os principais fatores causadores de incêndio estão cigarros arremessados por motoristas nas rodovias, utilização de fogo para limpeza de terrenos, queima de lixo, fogueiras, queimadas para fins agrícolas não autorizadas e balões. Se o motorista se deparar com um incêndio, a recomendação é reduzir a velocidade, aumentar a distância do veículo da frente, não ligar o pisca alerta nem parar na pista de rolamento. Essas queimadas podem ser comunicadas, quando registradas em rodovias administradas pela Rota das Bandeiras, pelo 0800-770-8070 (gratuito / 24 horas).


Queimada nas margens de uma das rodovias administradas pela Rota das Bandeiras  neste período de estiagem (foto divulgação)

CUIDADO TAMBÉM DENTRO DE CASA

Acordar por volta das 4 da manhã com moradores do prédio vizinho gritando ‘incêndio’ é um grande susto. Maior ainda quando se percebe que eles estão alertando os moradores do prédio onde você mora, e que o incêndio acontece alguns andares abaixo do seu. Foi o que aconteceu dia 5 de junho no edifício Moysés Bittar, localizado na rua Hermantino Coelho. Tudo indica que uma vela acesa em um apartamento do nono andar acabou provocando o fogo que obrigou a evacuação de todo o prédio de 18 andares na madrugada.

O Corpo de Bombeiros alerta que os incêndios em casa podem ter várias origens, desde de um cigarro mal apagado jogado em lixeira com papéis, o uso de velas, sobrecarga nas instalações elétricas, descuidos e outros. Por isso, a recomendação é sempre adotar medidas preventivas. O sargento Dicara recomenda nunca deixar velas acesas próximo a materiais de fácil combustão, próximo a janelas com cortinas ou sobre caixas de fósforos.

Ele ressalta o cuidado especial com a cozinha, observando sempre se o gás não tem vazamento na tubulação, mangueiras e conexões. Ao sentir cheiro de gás, não ligue ou desligue a luz nem aparelhos elétricos, mas afaste as pessoas do local e abra portas e janelas para melhorar a ventilação e feche o registro do gás. Panelas no fogo com água ou óleo aquecido também exigem cuidado, para evitar o início de fogo como o ocorrido em junho no restaurante Rei do Cupim, no Taquaral.

 

 

  Última edição  
  Edição 111 - 29/07/2017 - Clique para ler  
© 2017 - Jornal Alto Taquaral - CG Propaganda