Campinas, 15 de Novembro de 2019
FUNDADOR DO CIRCO IRMÃOS ALMEIDA MORRE EM CAMPINAS
04/10/2019
Aumentar fonte Diminuir fonte

Faleceu hoje em Campinas o artista circense Walter de Almeida, 94 anos, morador no bairro Taquaral desde 1960. Ele está sendo velado no Cemitério dos Amarais, onde o enterro acontece às 10h30 deste sábado (5/10).  Deixa a esposa Paulina Pachelli de Almeida (92 anos), 4 filhos, 11 netos e 11 bisnetos. Sua carreira começou aos 24 anos, quando fundou o Circo Teatro Irmãos Almeida, em 1950. Com a chegada da TV e o declínio da atividade circense, ele usou sua experiência para abrir a empresa Super Tendas, que funciona ainda hoje com escritório na Vila Nogueira. A neta Mariana Bellucci de Almeida fez um texto emocionado contando a trajetória do avô:

“ Como é que a gente se despede de um artista?

Aplaudindo, com certeza.

Como é que a gente se despede de um transformador social, num mundo que pede cada vez mais por eles? Sr. Walter de Almeida se foi. Fechou as cortinas do Circo de sua vida. Foi abrilhantar o Céu.

Um homem pequeno no tamanho, mas com uma força imponente sem precedentes. Sem precedentes pois ele não sabia de sua força. Ele desconhecia seu tamanho. Ele apenas vivia a vida, desde criança, fazendo sua arte. A arte circense. Criou um dos maiores e mais incríveis circos do interior do Brasil. O Circo Irmãos Almeida. Era um circo-teatro, onde animais não tinham vez. Vezes tinham malabaristas, mágicos, palhaços e todo tipo de arte. Quantos grandes artistas já não passaram por seu Palco? Raul Gil, Chitãozinho e Xororó, Silvio Santos, Os Trapalhões. Tonico e Tinoco, Mazzaropi, todos da Jovem Guarda! Que palco lindo, Meu Deus! Sr. Walter fez família, ao lado da doce Paulina, dentro do circo. Criava os mais emocionantes números de encenação e música. O circo era um sucesso.  Fez milhares - milhares mesmo - de pessoas chorarem e rirem nos seus espetáculos. Deixou, fingindo não ver, crianças entrarem por baixo da lona… Rodou o interior do Estado de São Paulo por muito anos. As cidades esperavam ansiosas pelo show! Era uma alegria receber o circo. Ele cuidou de pessoas. Deu oportunidade para elas. Muitas famílias, morando em seus trailers, puderam viver isso tudo com Sr. Walter. Todos os dias! Ensaio na semana, espetáculos aos finais de semana. Sr. Walter vivia disso. As famílias viviam disso. Sr. Walter cuidava da família fazendo arte. O trabalho era pesado e cansativo - sempre com alegria e sorriso no rosto. Ele tirava piada da palavra. Transformava. Fazia todo mundo enxergar que sim, a vida valia a pena… e que rir, era o remédio.  Quando a TV apareceu, Sr. Walter, de sabedoria incrível, percebeu: o circo não seria mais o mesmo. Ele então, antes se tudo acabar, resolveu encerrar: comprou um terreno e construiu uma casa para cada família que vivia no circo. Assim, cada uma delas ia ter onde recomeçar. Deu um a um os terrenos e as casa a essas famílias. Da lona fez um novo negócio! Um visionário que saiu oferecendo seu circo para empresas fazerem suas festas sob ele! A empresa cresceu, assim como a família. A lona do circo se transformou e virou uma grande e reconhecida empresa de estruturas para todos os tipos de eventos! Hoje, depois de anos contando casos e cantando para a família nos encontros todos que tiveram, ele resolveu que era hora de fechar as cortinas e encerrar o espetáculo. Sr. Walter foi um transformador social sem nem perceber isso. É exatamente por este motivo, que merece nossa homenagem. Viva o Circo-Teatro Irmãos Almeida. Aplausos para o Mestre.
De sua amiga neta, com muito orgulho. Mariana Bellucci DE ALMEIDA ”
 

  Última edição  
  Edição 126 - 15/06/2019 - Clique para ler  
© 2019 - Jornal Alto Taquaral - CG Propaganda