Campinas, 22 de Setembro de 2018
ERROS NA SEGURANÇA DE CONDOMÍNIOS - Alexandre Judkiewicz
05/08/2017
Notícia publicada na edição n.111 do Jornal Alto Taquaral
Aumentar fonte Diminuir fonte

As pessoas compravam apartamentos, pois eram locais mais difíceis de serem assaltados, mas, nos últimos anos, vivenciamos quase que diariamente a divulgação de um novo assalto ou arrastão em condomínios. Mas por que esses assaltos correm tanto? Falha na estrutura, falta de cumprimento das normas de acesso e segurança, comportamento do morador, quadrilhas altamente especializadas? Neste caso, todas as alternativas estão corretas.

ESTRUTURA FÍSICA

Antigamente prédios não tinham uma estrutura complexa para entrada e saída de moradores e prestadores de serviço. Em alguns bairros mais tradicionais das grandes capitais ainda é possível encontrar edifícios onde a portaria se resume a uma mesa no hall de entrada com um funcionário. Hoje, os modelos evoluíram e surgiram as guaritas (algumas delas blindadas) equipadas com monitores, controles de acesso e estrutura completa com banheiro e minicozinha para que o funcionário não deixe o local. Este é o modelo ideal de guarita, que deve estar posicionada a uma altura e distância da rua para boa visualização e, se possível, estar inserida em um sistema de clausura. A guarita é o primeiro alvo de uma ação criminosa, por isso, caso ela não tenha uma estrutura correta, aumenta a chance de um condomínio ser assaltado.

CONTROLE DE ACESSO

Há quem pense que colocar uma clausura na portaria você já está realizando o controle de acesso. O controle de acesso vai muito além disso. Ele começa com as regras e normas estabelecidas pelo condomínio e se torna eficaz com treinamento do funcionário. Só deve ter acesso às dependências do condomínio, funcionários, moradores, e pessoas autorizadas por esses. No caso da garagem, antes de abrir o portão, o porteiro deve identificar o motorista e observar se não há risco de entrar alguém com atitudes suspeita.

Ao contrário do muitos imaginam investir em segurança eletrônica não é caro. O ideal é que um condomínio tenha cercas elétricas, iluminação adequada, portões eletrônicos, CFTV (Câmeras), alarmes e monitoramento 24h. Outros itens como biometria, são ótimos complementos, principalmente no controle de acesos. A segurança eletrônica deve fazer parte de um projeto de segurança patrimonial e as pessoas que o operam devem ser treinadas e aptas para atender e solucionar contratempos.

QUADRO DE FUNCIONÁRIOS

Qualquer funcionário despreparado traz preocupação, desconforto, situações embaraçosas e indesejadas. Os funcionários que trabalham para o condomínio devem estar aptos a cumprir sua função e devem se adequar as regras de segurança do local. Exemplos: um faxineiro, ao retirar o lixo, jamais deve deixar portões abertos; o porteiro não deve deixar o posto de trabalho (por isso indicamos que a guarita deve ser um ambiente preparado); o segurança deve ser de uma equipe treinada e deve ficar alerta. Se seu condomínio optar por terceirizar esses serviços com uma empresa, certifique que a mesma cumpra todas as leis e realiza treinamentos e cursos periódicos com seus colaboradores.

MORADORES

Parte chave de um projeto de segurança, pois quando uma quadrilha está apta a assaltar um condomínio, eles estudam muito o perfil do morador. Buscam em redes sociais, monitoram horários de entrada e saída, e qualquer deslize, é uma oportunidade para uma ação criminosa. A maioria das ocorrências que poderia ser evitadas, resultam do não cumprimento de normas e procedimentos de segurança ou de falhas cometidas pelos moradores e seus funcionários. Por isso, o morador também deve seguir as normas de segurança do condomínio, avisar ao porteiro quando espera alguma encomenda, visita de familiar ou prestador de serviço, e evitar expor sua rotina em redes sociais, principalmente quando vai viajar.

Alexandre Judkiewicz  - Especialista em segurança

  Última edição  
  Edição 121 - 26/05/2018 - Clique para ler  
© 2018 - Jornal Alto Taquaral - CG Propaganda